segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Sonambulismo: inimigo noturno



19212549


O sonambulismo é um comportamento que ocorre com algumas pessoas a partir do sono profundo, chamado de sono de ondas lentas. Durante esta fase, o sonâmbulo levanta dormindo, caminha e fala, porém seu estado de consciência, memória e a capacidade de julgamento fica alterado. “O paciente realiza atividades, porém sem objetivo, sem memória e é muito difícil acordá-lo. E na maioria das vezes, não se lembra do que fez”, explica, o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Paulo Rogério M de Bittencourt.
De acordo com o médico os episódios ocorrem nas primeiras três e quatro horas de sono. “Os movimentos começam com poucos. Os pacientes movimentam-se na cama, sentam e depois caminham com uma expressão de nada, indiferença total. Apesar da face demonstrar indiferença, as pessoas estão desorientadas, não respondem a perguntas ou estímulos, mas estão de olhos abertos e parecem acordadas. Alguns falam devagar, mas não respondem a perguntas”, enfatiza.
A doença é uma espécie de distúrbios do sono, hereditária e comum na infância. “Ocorre nas crianças, principalmente, entre os quatro e oito anos, quando elas passam por alterações do sono”, destaca o Dr. Bittencourt. Aproximadamente, 30% das crianças apresentam episódios de sonambulismo durante a infância. Na fase adulta há 4% de prevalência.
De acordo com o neurologista, nos últimos anos existe uma preocupação com episódios de transtornos semelhantes ao sonambulismo. Principalmente com pessoas que utilizam álcool, drogas ou medicamentos, em especial os tarja preta, como por exemplo, o diazepam, clonazepam, alprazolam e os medicamentos indutores de sono como o zolpidem. “Em qualquer destas situações o pacientes com o disturbio do sono, devem ser acompanhados por um médico de confiança da família. O profissional é essencial tratar o problema e evitar complicações mais graves”, afirma o Dr. Bittencourt.
CUIDADOS COM O SONÂMBULO


O sonâmbulo deve ser acompanhando com calma. “Tente levar a pessoa em um local seguro. Para evitar acidentes. as pessoas devem se preocupar com janelas de andares altos, tapetes e móveis que possam levá-lo a quedas. O acompanhante deve propiciar um ambiente calmo, fresco, escuro, silencioso para que o sono do paciente volte”, destaca o médico.