quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Câmara do DF reduz idade, e estende passe livre a passageiros com mais de 60 anos

Ônibus em circulação em Santa Maria, no DF (Foto:  Pedro Ventura/Agência Brasília)


A Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou, nesta terça-feira (12), projeto que estende a gratuidade do transporte público a pessoas com idades entre 60 e 64 anos. Pelas regras atuais, apenas idosos com 65 anos ou mais têm direito ao Passe Livre.

A mudança consta em um projeto de emenda à Lei Orgânica do DF e, por isso, não vai passar pelo crivo do governador Rodrigo Rollemberg. Nos próximos dias, o texto deve ser promulgado pela Mesa Diretora da Câmara Legislativa e, a partir daí, já entra em vigor.

A regra aplicada atualmente, que começa aos 65 anos, está no Estatuto do Idoso, uma lei federal publicada em 2003. Segundo o autor da nova regra e presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT), a legislação abre espaço para que a faixa etária seja ampliada por regras locais.

Passe Único

Em setembro, o governo do DF começou a implementar um novo modelo de cartões de transporte, e a adotar modalidades de Bilhete Único. Com esses cartões, o passageiro pode pagar R$ 5 para pegar até três trajetos diferentes, no mesmo sentido e no intervalo de 2 horas.

Além do passe estudantil, do cartão para pessoas com deficiência e do vale-transporte de trabalhadores, crianças e idosos também terão direito a cartões específicos. Com isso, segundo o governo, eles poderão passar pela catraca e usar assentos comuns, além da seção reservada na frente dos coletivos.


Apesar do anúncio, esses cartões só devem ser emitidos a partir de 2018. A previsão do Palácio do Buriti e do DFTrans é de que esses tíquetes comecem a ser distribuídos em fevereiro.

Interessados em estudar nos CILs têm só esta semana para se inscrever

VINÍCIUS BRANDÃO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Alunos da rede pública com interesse em aprender línguas estrangeiras em algum dos centros interescolares de línguas (CILs) têm até a sexta-feira (15) para fazer a inscrição para as aulas de 2018.

É preciso acessar a página de inscrição no site da Secretaria de Educação e escolher a unidade de ensino e o idioma de interesse. Os alunos podem colocar os nomes em mais de uma escola e em mais de uma língua. O sistema da pasta preenche a ficha com os dados dos concorrentes.

As vagas são reservadas para quem estiver, em 2018, do 6º ano do ensino fundamental até o ensino médio; e para estudantes dos 2º e 3º segmentos da educação de jovens e adultos (EJA).

Tem direito às vagas quem estiver, em 2018, do 6º ano do ensino fundamental até o médio e estudantes do 2º e 3º anos da EJA
Até o momento, 18,7 mil alunos se inscreveram para concorrer aos cursos. Depois aqueles que já têm aula nos CILs terão um período de rematrícula. Com isso, a secretaria consegue fazer o planejamento de vagas e divulgar a primeira chamada em 19 de janeiro.

Quem estiver na lista terá o prazo de 22 a 26 de janeiro para efetivar a matrícula. A segunda chamada será divulgada em 2 de fevereiro, com efetivação de 5 a 7 do mesmo mês.

As aulas terão início no dia 15 com previsão de manter a quantidade de cerca de 40 mil estudantes nos 16 CILs de Brasília.

Centros interescolares de línguas

Os CILs são centros especializados na aprendizagem de língua estrangeira, vinculados à rede pública de ensino do DF, por meio da Secretaria de Educação.

São oferecidos cursos de inglês, espanhol, francês e japonês – este ofertado nas unidades de Taguatinga, Gama, Sobradinho, Ceilândia e Recanto das Emas.

Inscrições nos CILs para alunos da rede pública de ensino

Até 15 de dezembro (sexta-feira)
Pelo site da Secretaria de Educação
Divulgação do resultado em 19 de janeiro
Início das aulas em 15 de fevereiro

Endereços e telefones dos CILs no Distrito Federal

Asa Norte
SHCGN 711, Área Especial s/n
(61) 3901-4359

Asa Sul
SGAS 907/908, Módulo 25/26
(61) 3901-7613 e 3901-7619

Brazlândia
Quadra 2, Área Especial 7
(61) 3901-3671 e 3901-6630

Ceilândia
QNM 13, Área Especial (Ceilândia Sul)
(61) 3373-2923 e 3901-3746

Gama
Setor Central, Praça 2, Entrequadras 16/18 AE
(61) 3901-8111 e 3901-8053

Guará
QE 7, Lote AE
(61) 3901-3697, 3381-6123 e 3901-4436

Núcleo Bandeirante
Setor Tradicional, CEMNB, 3ª Avenida, AE 4, Praça Oficial 4/2
(61) 3386-4079

Paranoá
DF-250, km 3, Região dos Lagos, Sítio Rosas
(61) 3901-7548

Planaltina
Setor Residencial Leste, Quadras 3 e 4, Lote H
(61) 3901-4628

Recanto das Emas
Avenida Monjolo, Quadra 306, Área Especial
(61) 3332-5260

Riacho Fundo II
QN 14, Conjunto D, Lote A
(61) 3901-8043

Samambaia
QN 407, Bloco G, Samambaia Norte
(61) 3083-5005

Santa Maria
CL 114, Conjunto D, 4º Andar, Santa Maria Shopping
(61) 3901-6597

São Sebastião
Setor Tradicional, Rua 1, Número 101, CEF Cerâmica São Paulo

Sobradinho
Quadra 11, Área Reservada 1
(61) 3901-4099 e 3901-4096

Taguatinga
QSB 2, Área Especial 3/4
(61) 3901-6771 e 3351-1283


EDIÇÃO: VANNILDO MENDES

Passe livre estudantil volta a ser bloqueado durante férias escolares, avisa DFTrans

G1DF


O DFTrans informou nesta terça-feira (12) que vai voltar a bloquear o cartão de estudantes durante as férias escolares. A suspensão vai desde o começo das folgas até a volta às aulas. Para a rede pública, as férias começam no dia 12 de dezembro e terminam no dia 15 de fevereiro.

Segundo o DFTrans, as instituições de ensino entregaram nesta segunda (11) uma lista detalhando o calendário de cada uma. Isso significa que o bloqueio do cartão vai depender do cronograma de cada escola, sem ocorrer da mesma forma para todos os alunos.

Em entrevista ao G1, o diretor do órgão, Léo Carlos Cruz, disse que quem faz curso de verão vai ficar com o benefício.

Ele afirmou ainda que não vai ser necessário passar por novo recadastramento na volta às aulas. Apenas se o estudante mudou de endereço ou de escola.

Cerca de 195 mil estudantes usam o Passe Livre Estudantil em todo DF.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Comissão aprova projeto contra canis clandestinos

Medida que pode abolir criadouros clandestinos de animais foi aprovada na tarde desta segunda-feira (11) pela Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo. A proposta (PL nº 359/2015) obriga a emissão de certificado de origem dos animais, no ato de sua venda, pelos estabelecimentos comerciais no DF. O certificado garantirá ao comprador que o animal pertence a criadores oficiais, segundo a autora do projeto, deputada Luzia de Paula (PSB).

O relator da matéria na comissão, deputado Chico Vigilante (PT), acredita que a medida vai extinguir diversos canis clandestinos. Ele argumentou que os animais usados apenas como reprodutores nesses criadouros são vítimas de maus-tratos e falta de cuidados. Além do mais, os filhotes provenientes desses locais são mantidos em espaços minúsculos e expostos em calçadas e praças, para venda, dentro de caixas, engradados ou mesmo em porta malas de carros, acrescentou. Segundo o parlamentar, o Projeto Esperança Animal (PEA) informa que apenas em São Paulo cerca de 500 mil cães e gatos são vendidos por ano provenientes de criadouros clandestinos.

Multa - Os estabelecimentos que descumprirem a medida, isto é, que não fornecerem o certificado de origem, devem ser multados em R$ 500 mil por animal, cobrada em dobro no caso de reincidência. Os valores arrecadados com a aplicação das multas serão revertidos, entre outros, na promoção de campanhas de educação para a posse responsável e conscientização dos direitos dos animais.

Participaram da reunião , a última do ano desta comissão, os deputados bispo Renato Andrade (PR), Cláudio Abrantes (sem partido) e Chico Vigilante (PT).


Franci Moraes - Coordenadoria de Comunicação Social